sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

30 antes dos 30 - ler mais

nunca contei essa história aqui, mas aprendi a ler antes da hora. pedi que uma tia, professora, me alfabetizasse pois amava "ler" livros e queria conseguir fazer isso de verdade, sem precisar da ajuda de ninguém. 
gif: grace easton

desde pequena livros sempre foram a minha paixão, mas entrei numa fase - não sei exatamente a idade - em que os livros ficaram em segundo (ou terceiro) plano. sempre li, nem que fosse um mísero livro no ano, mas não conseguia me dedicar além disso. 

foi somente a pouco tempo que comecei a retomar esse hábito com mais frequência e então os livros se tornaram grande parte do meu dia-a-dia novamente. apesar disso,  continuo sentido que poderia ler mais do que faço atualmente.

sou dessas que funciono muito bem sob pressão, então nada melhor que encarar um desafio para tirar certos planos do papel! além disso, sempre que pego um livro chato para ler, largo ele com muita facilidade e nunca termino... vira um verdadeiro esqueleto na minha estante! acredito que o desafio me force a chegar ao fim de toda leitura que eu me dispor a fazer, nem que seja por obrigação. 

pensando nisso, resolvi propor um desafio literário a mim mesma, e com isso, riscar um dos itens da minha lista de 30 antes dos 30. a partir de janeiro, farei a leitura de pelo menos dois livros por mês - e claro, farei todas as resenhas aqui no blog (alguns talvez em formato de vídeo... será?).

então fica assim: declaro instaurada minha primeira resolução para o ano de 2018.


quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

para meu pai - diários de luto #4

eu não achei que escreveria um post desses tão cedo, mas como a gente já aprendeu, nem sempre as coisas acontecem da forma que a gente planeja. essa é uma dessas coisas que fogem do nosso controle, acontecem, te derrubam e você fica para trás, tentando juntar os cacos. 

como já contei por aqui, minha mãe faleceu no dia 26 de janeiro deste ano. nessa mesma época, meu pai já estava doente e aos poucos, ao longo dos últimos 11 meses fomos percebendo uma piora em seu estado de saúde. tudo chegou ao fim no dia 8 de dezembro de 2017, quando ele também nos deixou.

difícil colocar em palavras o que passa na cabeça em um momento desses. perder pai ou mãe é um desafio e tanto na vida, mas perder os dois no mesmo ano é algo que ultrapassa qualquer entendimento.  

não é que eu me sinta sozinha, pois longe disso, estou rodeada de pessoas totalmente incríveis e que me acolhem diariamente... mas o vazio é gigante e quando penso em tudo que ainda tenho para viver sem eles, nesse momento sim, me sinto só.

não sabia muito bem como e o que escreveria nesse texto, mas senti a necessidade de justificar meu sumiço e a óbvia interrupção do beuc. meu fim do ano vai ser assim: vida seguindo como pode e aproveitando esse tempo para cuidar de mim! estarei aqui, mas não todos os dias como havia planejado anteriormente. sigo com minhas leituras e ontem até publiquei uma resenha (bem chinfrim) de tartarugas até lá embaixo. 

meu ano ano já começou.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

[resenha] tartarugas até lá embaixo

"é muito raro encontrar quem veja o mesmo mundo que o seu."


foto: a teoria de todas as coisas/ ana mattos
minha história com john green começou como a de muitas pessoas: através de a culpa é das estrelas. me apaixonei pelo livro e o filme também foi só amorzinho. logo depois comprei o teorema katherine e nossa relação azedou. tentei por duas ou três vezes ler o livro, mas não deu liga. parei de tentar, até que me deparei com tartarugas até lá em baixo

com poucas páginas de leitura senti que esse era o livro que iria me reconciliar com john. e foi. 

a história acompanha a jornada de aza holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto tenta lidar com o próprio transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).
aza é um personagem extremamente cativante, assim como sua melhor amiga daisy e davis, filho do bilionário desaparecido. é fácil passar algumas horas lendo sobre eles sem nos cansarmos um só instante. 

tive um certo receio sobre como o livro iria tratar os transtornos de aza (alô, 13 reasons why), mas essa foi uma das surpresas agradáveis que a leitura de tartarugas até lá em baixo me trouxe. os momentos em que ela está em crise, inclusive, são bastante angustiantes e suas conversas com a terapeuta rendem diálogos incríveis e muito reflexivos!

confesso que, envolvida pela sinopse, esperei muito mais acontecimentos que de fato ocorreram na narrativa, mas de forma alguma isso faz com que ela se torne monótona ou desinteressante. pelo contrário, é difícil largar o livro.

john green, que também foi diagnosticado com TOC, traduz muito bem o que é conviver com um transtorno que lhe transforma em refém do seu corpo e de seus próprios pensamentos, lidando com desafios diariamente. leiam, leiam e leiam. 

________________________________________________________




título original: turtles all the way down
autor: john green
editora: intrínseca
gênero: romance
páginas: 256
edição: 2017











sábado, 2 de dezembro de 2017

#BEUC 07 - nossa decoração de natal



um post cheio de fotos e poucas palavras <3

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

#BEUC 06 - aquele 98 com gostinho de 100

finalmente coloquei um ponto final no meu tcc e na quarta-feira, 29 de novembro, defendi minha monografia na banca de aprovação. ansiosa e em muitos momentos me esquecendo até de respirar, apresentei a pesquisa que desenvolvi ao longo desse semestre, cheia de orgulho e vontade, mas com aquela pontinha de insegurança.

ouvi os comentários e estava esperando uma nota mediana, de verdade, não acreditava que tiraria mais que 85... eis que na leitura da ata cravou: conceito A, 98.

que sensação foda.

fico aqui encarando esse trabalho e pensando "que lindo, fui eu que fiz!", tipo filho mesmo, sei lá. a gente sabe que monografia não é lá o trabalho de pesquisa mais prestigiado que existe, mas olha, dá orgulho. principalmente depois dos perrengues enfrentados - e desse ano bosta em geral.

meu drink da vitória, 100% desfocado mas 100% maravilhoso

foi por isso que também pulei um dia de #BEUC (shame on me), mas prioridades. agora é declaração oficial de férias e tempo sobrando (mentira pois jobs) para me dedicar aos posts de natal.

espero que cês continuem aqui comigo.