29/09/2017

[resenha] quiçá


acho que faz cerca de dois meses que comecei a leitura de quiçá. tinha acabado de comprar o kindle e estava em busca de livros escrito por mulheres brasileiras quando me deparei com uma indicação dessa livro, escrito por luisa geisler, até então, uma autora desconhecida pra mim.

esse foi um livro que começou me conquistando e rapidamente já tinha lido boa parte dele. dois meses depois, só agora consegui finalizar a história. algo me incomodava na narrativa e eu não sabia bem o que era... até que consegui finalmente entender: a escrita, apesar de boa, em alguns momentos se torna extremamente repetitiva e em momentos mais críticos, entediante. muitas vezes pegava o livro para ler na cama e poucos parágrafos depois, já estava dormindo. culpei o cansaço muitas vezes até que consegui identificar o sonífero culpado: quiçá tem uma história que dá muitas voltas e os rodeios às vezes são excessivos. apesar disso, sinto indicar esse livro ainda vale muito a pena.

a história gira em torno de clarissa, uma adolescente de 11 anos. seus pais, augusto e lorena são uma dupla de workaholics publicitários donos de uma agência. a vida de clarissa se transforma quando seu primo arthur começa a morar com ela e sua família, após uma tentativa de suicídio.

clarissa é uma menina madura de mais para sua idade, vez ou outra é fácil se esquecer que elaé tão jovem, mas a autora se prontifica a nos lembrar a idade dela sempre que possível!  ela é obediente, responsável e estudiosa... conta apenas consigo mesma, já que a ausência dos pais é rotineira. seu primo arthur é o oposto de tudo isso: fala palavrões, é tatuado, bebe, fuma  mata aulas. juntos e em suas diferenças, eles se descobrem companheiros.
“Às vezes ser uma má influência é melhor do que ser influência nenhuma”.
quiçá é um desses livros que não segue a cronologia do tempo, tendo uma narrativa que vai e e volta entre o ano que arthur chega para morar com clarissa, um almoço de natal em família e diversas histórias fragmentadas que surgem entre um capítulo e outro.

o desenvolvimento da história acontece de maneira leve e muito natural. sem a gente perceber já está totalmente envolvido com a vida daqueles personagens, se decepcionando a cada ausência dos pais de clarissa e acompanhando as descobertas que ela faz da vida ao lado de arthur, em um novo mundo que ele a apresenta. há também uma certa melancolia que permeia a toda a narrativa e que vai dando ritmo ao desenrolar da história.

no fim da contas, apesar da dificuldade em avançar na história, quiçá é uma boa leitura e com certeza, abriu as portas para que eu conhecesse uma autora tão jovem e de muito talento.

3 comentários:

  1. Desconhecia esse livro e essa autora tb.. pra ser bem sincera eu to total alheia do mundo dos livros, tanto tempo que não consigo começar um livro e terminar... sempre acabo deixando de lado =/

    ResponderExcluir
  2. Eis uma novidade para mim. Não conhecia autora do livro. Eu adoro ler e conhecer novos escritores. Vou levar essa dica comigo.

    Um ótimo domingo.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  3. narrativas não lineares me deixam doida. me perco muito facil haha não conhecia nem a autora, nem o livro! mas é sempre bom a gente se deparar com o novo né? novas escritas, novas formas ler uma narrativa! saudades de quando eu lia mais :\

    ResponderExcluir

obrigada pelo comentário! respondo e visito todos os links que deixam aqui :)